Na próxima sexta-feira

Na próxima sexta-feira

Reprodução

Bia e Caio estavam morando juntos há quase três anos. Depois de um começo de namoro excepcional, regado a muito álcool, sexo e rock ‘n’ roll, perceberam que a relação estava indo ladeira abaixo. As conversas tornaram-se raras, o sexo já não era o mesmo (isso quando tinha sexo), as músicas já não faziam sentido, e nem uma bebidinha levantava os ânimos. Enfim, eram mais amigos do que amantes. 

Bia era a mais sossegada. Na verdade, até gostava da vidinha parada que estavam tendo. Claro que sentia falta do romance, do amor caliente, mas para ela, o mais importante era ficar com o homem que amava. Caio, por outro lado, não aceitava o ócio. Amava sua namorada, mas sentia saudade das baladas e dá época em que pegava várias garotas. Tinha uma ideia em mente, mas sentia que a Bia jamais concordaria. Depois de dois meses criando coragem, soltou: 

 – Bia, acho que deveríamos ter uma relação mais aberta.

– Como assim? Não entendi.

– Eu te amo. Mas acho que nosso relacionamento está desgastado. Deveríamos nos relacionar com outras pessoas.

– Você quer dizer, fazer um ménage?

– Não, não. Quero dizer que deveríamos sair sozinhos para ficar com outras pessoas. Por exemplo: poderíamos reservar um dia da semana para eu sair com quem eu quiser e você idem.

– Caio, fala sério. Você conheceu alguém e quer me deixar? Ou isso é só uma desculpa para pular a cerca?

– Não, meu amor. Não conheci ninguém. E acredito que não será traição, já que seria com o consentimento de ambos. Além do mais, isso acabaria apimentando nossa relação, pois quebraríamos a rotina.

– Você acha que esta é a solução para apimentar nosso namoro?

– Acho.

– Então, tudo bem.

– O quê? Tudo bem… Tudo bem?

– É, tudo bem. Mas vamos ter regras. Primeira regra: não quero saber com quem você vai sair e você não vai saber com quem eu vou sair.

– Concordo.

– Segunda regra: não quero que ninguém me encontre na balada com outra pessoa. Não quero ficar mal falada. Então, se eu ficar com alguém, vai ser aqui em casa. Você pode levar suas “amigas” para um motel, mas não te quero desfilando com ninguém nos lugares que frequentamos.

– Ok. Mas não vá usar nossa cama.

– Certo. Eu usarei o quarto de hóspedes. Terceira e última regra: Sem ciúmes e sem perguntas.

– Beleza. Sem ciúmes e sem perguntas. Espera aí. Tenho uma pergunta: Quando começamos?

– Não sei. O que acha de começarmos na próxima sexta-feira?

– Daqui a três dias? Tudo bem. Fechado. Você vai ver que nosso relacionamento vai melhorar.

– Sei… 

Bia deu um sorriso sem graça e foi para o quarto. “Desgraçado, maldito, filho de uma quenga dos infernos. Você vai ver o que eu vou aprontar seu traidor de uma figa”, resmungou sozinha. 

Caio disfarçou a euforia e foi para o escritório. Ainda não acreditava que a Bia tinha aceitado. Se soubesse que ia ser tão fácil, não tinha esperado dois meses para fazer a proposta. No fundo, queria se dar bem, e se iludia achando que a namorada não ia ter coragem de ficar com outro cara. 

Como não tinha muito tempo para dar uma de Dom Juan, Caio resolveu apelar para as ex-namoradas. Já tinha uma lista em mente, então entrou no Facebook e começou a seleção. 

Primeira opção: Manuela. “Hum… levei esta no baile de formatura. Era bem gostosinha, mas agora, está um bujão. Não rola.” 

Segunda opção: Patrícia. “Demos uns amassos no carro do pai dela. Ótima alternativa, se ela não estivesse casada e com três filhos. Caramba, três filhos? No way.” 

Terceira opção: Rose. “Ah… boas lembranças. Esta foi a primeira mina que eu beijei que usava piercing na língua. Ainda lembro da sensação gostosa que tive. Acho que vou mandar uma mensagem. Espera aí. Rose mantém relacionamento sério com Roberta. Roberta? Que bosta. Deixa pra lá. Ela pode querer enfiar o dedo onde não deve.” 

Quarta opção: Jaqueline. “Que mulata! Jamais vou esquecer aquele carnaval que passamos em Salvador. É… pena que ela está morando nos EUA. Será que ela voltaria ao Brasil para sair comigo na sexta-feira? Acho que não. Próxima.”

Quinta opção: Renata. “Loirinha safada. Ops! Virou atriz pornô. Bem, acho que é uma boa. Coisa rápida, sem compromisso. Acho que rola… deixa eu pesquisar no Google. Caramba, que fotos são essas? Seis caras ao mesmo tempo? Recorde de transas no mesmo filme… Meu velho, que posição é esta? Deixa pra lá. Muito Punk.” 

Sexta e última opção: Vanessa. “Esta sempre foi apaixonada por mim. Chorou quando ficou sabendo que eu ia morar com a Bia. Deixa eu ver: solteira, estudando história na USP, pelas fotos continua gatinha e, para facilitar, está on line. Acho que é ela.” 

Mensagem: 

Caio: Oi Van. Qto tempo? Td bem com vc?

VanGatinha: Caio? Que surpresa. Tá td OK. E vc?

Caio: Tô de boa. Cê tá a fim de sair na sexta, para relembrar os velhos tempos?

VanGatinha: Claro.

Caio: Blz. Ainda mora com seus pais?

VanGatinha: Moro.

Caio: Então tá. Te pego às 20h.

VanGatinha: Blz. Bjão! 😉

 Caio: Bjo! 

“Ah ha! Me dei bem. Vou tirar o atraso, uô, ô, ô, ô, ô …”, comemorou baixinho. 

Três dias depois. 

Caio, meio que desconfiado, foi se despedir de Bia. “Tchau, amor. Volto pela manhã.” 

Bia, aparentemente sóbria e sorridente, se despede. “Bom passeio. Não me liga, pois estarei ocupada.” 

Enquanto o parceiro sai para sua aventura amorosa, Bia desiludida liga para um amigo. 

Caio pegou o carro e seguiu para o encontro. Quando se aproximou da casa da ex-namorada sentiu um aperto no coração e começou a ficar ofegante. Pronto! Caiu na real. Em poucos minutos sua mulher estaria dormindo com outro cara. Um estranho. Ou pior. Um amigo deles. Afinal, Bia era uma gata, e seus amigos sempre babaram por ela. “Que merda que eu fiz?”, pensou. 

Desesperado, Caio pegou o celular e ligou para Bia. Ela não atendeu. “Que droga. Ela já deve estar com o cara. Só pode ser um amante, por isso ela aceitou tão fácil. Já devia estar me traindo. Aquela desgraçada, traidora de uma figa…” – Chorando e completamente arrependido, ele fez o retorno e dirigiu de volta pra casa. 

Quando Caio chegou, jogou o carro em cima da calçada e correu em direção à porta, que estava trancada. Enquanto pegava as chaves no bolso, gritava o nome da namorada, que não respondia. Suas mãos estavam trêmulas, o que dificultou abrir a fechadura. Quando enfim abriu a porta, encontrou a casa vazia. Subiu para o quarto e viu que a cama estava arrumada, olhou no banheiro e percebeu que o azulejo ainda estava úmido, mas nem sinal dela. Andou em direção ao quarto de hóspedes. Lembrou que pediu para Bia preservar a cama deles e voltou a chorar. Com certeza ela estava no quarto de hóspedes. Abriu a porta com tudo e… nada. Ela não estava lá. 

Uma hora depois, Bia chegou em casa com os olhos vermelhos. Viu que Caio deixou o carro jogado na calçada e ficou preocupada. Subiu correndo para o quarto e encontrou o namorado sentado no chão com as mãos nos olhos. 

– Caio? O que você está fazendo aí no chão.

– Meu amor, me desculpa!? Eu juro que não fiz nada. Eu saí, mas no meio do caminho percebi que foi uma péssima ideia. Não preciso e não quero sair com outras mulheres. Só quero você. Você acredita? 

Sem falar nada, Bia estende a mão e ajuda o namorado a se levantar. Dá-lhe um beijo e o arrasta para cama. Tira sua roupa e faz amor com o homem que escolheu para ficar o resto da vida. Há muito tempo não faziam amor com tanta intensidade. 

– Te amo, Caio!

– Também te amo.

– Vamos fingir que nada aconteceu. Fingir que esta ideia louca nunca passou por nossas cabeças. Tudo bem?

– Tudo bem. Prometo nunca mais tocar neste assunto.

– Combinado. Boa noite!

– Boa noite! Sonhe com os anjos. 

Caio se virou e dormiu. Bia ficou acordada olhando para o teto. Pensava na atitude do namorado, quando percebeu o celular brilhando no criado mudo. Estava tarde. Ainda bem que o deixou no modo silencioso. 

Uma mensagem não lida. 

Oi Bia! Que pena que você desistiu. Ainda estou sentindo o gosto do seu beijo. Espero que mude de ideia. Se precisar de um parceiro, me liga. Boa noite… 

“Nunca mais.” Bia apaga a mensagem, vira de lado, abraça o namorado e dorme.

Anúncios

7 comentários

Filed under Uncategorized

7 responses to “Na próxima sexta-feira

  1. MARCIA

    CARAMBA QUE TEXTO MARAVILHOSO, MUITO SUL-REAL!! PARECE QUE VEJO A CARA DOS PERSONAGENS.PARABENS NETO, ADOREEEEI!!! BEIJO.

  2. Ed Mesquita

    É dificil pra um casal se conter com uma situação dessas, querendo ou ñ, ambos estariam traindo, + o amor falou + alto e tuudo acabou bem….muito bom Netinho, adorei cara, continuo aqui lendo todos q vc me envia, adoooro, boa sorte, bjs.

  3. Cris

    É meu caro, esta sua história apesar de fictícia, tem todo um fundo de verdade.

  4. Daniele Villarim

    mto bom, me emocionei, eu sempre acredito no amor verdadeiro, acima de tudo!!!

  5. Gisele Villarim

    Isso me lembra algo… já esqueci… rs

  6. Érica Mendes

    Adorei!! Simplesmente show!! Como o ser humano tem a capacidade de procurar a infelicidade, pq?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s